Viajar com dolar, cartão de saque, cartão de crédito ou travel check?

E no post dessa semana, o assunto é viajar para o exterior exatamente acertando na melhor forma de comprar e pagar tudo fora do país.


Período de férias iniciando e o dólar novamente com baixa é uma combinação irresistível para sair do Brasil. 

Está com a viagem marcada? Planejando? Pesquisando? O que é melhor levar na mala: moeda em espécie? Travel Check? Cartão de Crédito?

Descubra como economizar e pagar menos pelas compras que voltarão na bagagem.

Dinheiro em espécie

É indiscutível que algum valor em moeda local deve-se levar no bolso. Mas pouco. Segundo comentário do Ricardo Freire na BandNews FM, o ideal é entre 100 e 300 dólares em espécie. Evite notas de 100U$. Até porque pode ser necessário pegar ao menos um taxi do aeroporto para o hotel antes de pensar em sacar dinheiro ou trocar mais moeda. Entendo que há sempre o receio das demais formas não serem aceitas, mas hoje não há mais este problema. Pelo menos não nos 50 países mais vistados do mundo. A não ser que seu roteiro de viagem inclua um vilarejo exótico nas montanhas virgens, não há porque temer que seu cartão de crédito não seja aceito.


Por que não vale à pena levar tudo em dinheiro? Porque além do risco de ser assaltado, você precisará pagar pelo câmbio, ou seja, comprar o dolar ou o euro aqui no Brasil perdendo um percentual. O valor para compra será o do dolar paralelo caso a compra seja realizada em qualquer casa de câmbio. Na melhor das hipótese, compensando pegar a taxa cobrada para a realização da operação, você conseguirá comprar pelo dolar turismo junto ao seu banco, mas que mesmo assim tem sido cotado acima do comercial.
Traveller check

Alguém ainda sabe o que é isso? Bom, os travellers checks ainda existem e são muito seguros, pois contam com seguro contra roubo, perda ou extravio que permite o reembolso ao turista em até 24 horas. Contudo, perdem cada vez mais campo para os cartões, cuja praticidade é muito maior. A única vantagem desses cheques é segurança e  a possibilidade de receber troco em espécie, servindo como uma espécie de “cambio automático”. Pouca gente sabe, mas muitos estabelecimentos concedem troco para traveller checks, sem necessidade de trocá-los antes que uma casa de câmbio. A rede Mc Donalds é um exemplo. Só que este “troco”, se seu cheque não for já na moeda local, será lhe dado numa péssima conversão de moeda.

Mas o grande problema mesmo do travel cheque é o valor pago por ele. Não vale à pena. O câmbio não é o mais favorável que se pode conseguir e não há nada que justifique levá-los no lugar do cartão de crédito (exceto o IOF para grandes somas em compras, pois no cartão o percentual é de 2,38% enquanto que no travel check é de 0,38%). A aceitabilidade deles também é cada vez mais restrita. Isso sem falar que para emissão dos mesmos é necessário pagar uma taxa para o seu banco, em torno de absurdos R$ 50,00, e que ainda há lugares que cobram uma “comissão” pela troca dos cheques por moeda.


Cartão pré-pago (Travel Money)

O cartão de débito específico para viagem vem se popularizando. O mais conhecido é operado pela Visa (Visa Travel Money) e permite que a pessoa estipule o gasto que pretende ter, carregue o cartão e depois vá sacando os valores conforme a necessidade ou simplesmente utilizando diretamente, como um cartão de débito comum. O cartão pode ser carregado em dólares, euros ou libras. Se as despesas forem pagas diretamente no cartão, não há cobrança de taxas, mas para cada saque efetuado o turista irá desembolsar em torno de £ 1,70, US$ 2,50 ou € 2,50 (valores pesquisados na primeira semana de janeiro de 2011), dependendo, claro, da moeda na qual o cartão foi carregado. Essa modalidade apresenta algumas vantagens, tais como a possibilidade de ser carregado em diversas moedas, não correr riscos por conta de variações cambiais e tem a possibilidade de ser recarregado à distância e a qualquer momento. Além disso tudo, o valor do dólar para compra de créditos geralmente é mais barato que a compra de dólar em espécie. Mas o mais legal é poder controlar os gastos. Nada que você não possa combinar previamente com sua operadora de cartão de crédito.

Cartão de débito do seu banco


A melhor opção! Antes de viajar, fale com seu gerente e confirme a autorização do saque no exterior. Assim, sabendo qual a rede credenciada, você poderá sacar em moeda local quando e quanto precisar, inclusive nos terminais 24 horas. O valor do câmbio para conversão da moeda é o melhor, mais próximo ao dolar comercial, e não há como questionar a comodidade de usar seu cartão do banco como se no Brasil estivesse.

No HSBC, clientes Premier podem realizar saques sem cobrança de taxa em caixas eletrônicos do próprio banco e clientes Advance pagam uma tarifa de R$ 8,00 por saque. Já no Bradesco, a taxa de saque no exterior é de 2,42% do valor da operação mais tarifa de U$ 2,50 para cada operação. No Santander, a taxa para saque internacional é de 3% sobre o valor sacado mais R$ 8, com um valor mínimo de R$ 15,00. No Itaú, o valor é fixo de R$ 9 por saque. A Caixa Econômica Federal ainda não trabalha com o saque direto no exterior. No Banco do Brasil é cobrada uma taxa de US$ 2,50 ou 2,50 euros, podendo ser acrescida de eventuais tarifas cobradas pela empresa administradora da rede de terminais onde o saque for efetuado.

Cartões de crédito

O cartão de crédito é um excelente companheiro de viagem, pois é meio de pagamento com extrema aceitabilidade e de fácil utilização. E, lembrando, para usar no exterior precisa ser um cartão “internacional”. Parece óbvio, mas, acreditem, conheço quem chegou a discutir porque não conseguiu utilizar no exterior o cartão com validade apenas no Brasil.

Outro “senão” é que as operações com cartão de crédito são tributadas com uma alíquota de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 6,38%, enquanto que a compra de dólar ou traveller check pagam 0,38%. Assim, se as compras forem muitas, calcule este gasto extra e o considere na hora de converter o valor do que está comprando no exterior. Pense bem: a cada R$ 1.000,00 gastos em compras no exterior, R$ 23,80 serão pagos a mais de IOF na fatura do cartão.

Ainda, se a bandeira for VISA ou MasterCard, há a  possibilidade de conseguir um câmbio menor para o dolar (independente da moeda do país, todas as administradoras costumam passar para dolar as compras). O American Express costuma converter as compras para um valor de dolar maior. Outra variável é não saber qual será a cotação do dolar na data do pagamento da fatura. Caso o dólar caia, ótimo! Se subir, as compras custarão mais que o inicialmente previsto. E esteja ciente que o valor a ser pago pelas compras será o do câmbio da data do pagamento da fatura. Em tempos de instabilidade financeira, como no segundo semestre de 2008, muitos turistas tiveram uma infeliz surpresa ao receberem sua fatura com o aumento do dólar em quase 30%! Modere, portanto, nos gastos com ele!

Uma consideração final: movimentações em faturas com saldo acima de R$ 5.000,00 são informadas à Receita Federal pela administradora do cartão de crédito!

O que escolher? 

A melhor opção é levar pouco dinheiro em espécie e utilizar o cartão de saque do seu banco. Este valor inicial em moeda local servirá para os gastos pequenos e para os lugares que não aceitam cartão de crédito; ou até você, com calma, encontrar um auto-atendimento da rede credenciada do seu cartão do banco para saque. Assim, vá sacando dinheiro com seu cartão do banco a medida de sua necessidade. Este é o melhor câmbio e tarifa que você conseguirá, evitando ainda o transtorno de ficar procurando casas de câmbio.

Esqueça os travelles checks e somente utilize o Visa Travel se você for daquelas pessoas que efetivamente não consegue evitar as compras desnecessárias, pois a grande vantagem desta forma de pagamento é o controle total dos gastos.

Quanto ao cartão de crédito, ele pode não ser a melhor opção, mas é recomendado que se leve ao menos um para casos de emergência.

Resumindo todas essas informações com 250U$

  • Cartão de débito para saque: Serão debitados da conta R$ 545,00* (dolar mais próximo ao comercial) + 0,38%, ou R$ 2,07. Há ainda a taxa, em torno de 2,50U$, o que resulta na conta final de R$ 552,52, ou seja, a opção mais barata. E mesmo que seu banco seja um daqueles que cobra um percentual sobre o valor, esta ainda continuaria sendo a forma mais econômica de comprar no exterior.
  • Cartão de débito para compras: Incide IOF de 2,38% mas não incide taxa. O débito será, portanto, de R$ 557,97,11. Resultado igualmente atrativo.
  • Cartão pré-pago para saque: Carrega-se os 250U$ pagando R$ 580,00* (cotação do dolar mais próxima ao turismo). Nesta valor deve acrescentar R$ 5,45 (taxa de 2,50U$ cobrada para a operação). Total: R$ 585,45.
  • Cartão pré-pago para compras: Por se tratar de operação cambial, paga-se 0,38% de IOF, ou R$ 2,20, quando o cartão é abastecido. Mas não há nova incidência do imposto quando o cartão for usado para fazer compras. Assim, com base no valor de R$ 580 mais tributos, o total é: R$ 582,20.
  • Cartão de crédito: Pagam-se R$ 575,00* (dolar entre o comercial e o paralelo nas bandeiras VISA e Mastercard – American Express cobra cotação maior geralmente) pela compra, mais 6,38%, ou R$ 36,68, pelo IOF. Total da compra = R$ 611,68, ou seja, a opção aparentemente mais cara.
  • Casa de câmbio: Além de pagar em torno de R$ 575,00* pela compra de moeda (dolar paralelo), você deixa mais R$ 2,18, equivalente a 0,38% do imposto. Total: R$ 577,18. Só que, dependendo do país, será necessário levar dolar para depois trocar pela moeda local (perdendo mais uma vez no câmbio). Ou seja, provavelmente será uma opção mais cara ainda que a do cartão de crédito. Isso sem contar que há países e casas de câmbio que cobram uma “comissão” pela troca.
  • Travel Check: não vale à pena nem considerar a opção, pois só para emissão precisará ser paga uma tarifa de R$ 50,00, o que já faz a nossa conta começar em R$ 620,00!!!

*Cotação do câmbio de venda do dólar comercial, da dólar turismo e do dólar paralelo respectivamente em R$ 2,18, R$ 2,32, e R$ 2,30 no dia 10 de outubro de 2013 pelo UOL Economia.


Economize ainda mais na sua viagem acessando nossos posts anteriores: Você pode tirar férias de tudo, menos de seus direitos como turista, Viagem ao Exterior: Como conseguir o valor do imposto de volta ou ainda Contribuição Bureau nos Hotéis tem pagamento facultativo e não pode ser debitado automaticamente da conta.

Por Fernanda Guimarães

Informação adicionada:

Fiquei muito feliz ao ler a matéria do Valores Reais, que aproveitou nosso post e, além de economizar na viagem, fez uma pesquisa super completa sobre as tarifas para saque no exterior cobradas pelos bancos. Imperdível!

30 respostas
  1. Anônimo
    Anônimo says:

    Fernanda, outra coisa que gostaria de saber eh sobre devolução de imposto nas compras no exterior. vcs pretendem escrever e nos ajudar sobre isso? grande abraço! adriana lima oliveira (adri_lo34[at]hotmail.com)

    Responder
  2. Anônimo
    Anônimo says:

    Fernanda, pelo que entendí, a melhor opção é o saque com o cartão de crédito/débito internacional, só que na opção de saque em terminais autorizado, é isso mesmo?. Meu cartão é do Banco do brasil, bandeira visa.
    Neide Costa (neidek1[at]yahoo.com.br)

    Responder
  3. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Neide,

    O ideal é sacar com seu cartão do banco. Esta é a opção mais econômica, conforme demonstramos.

    Pode ser que seu cartão de saque (aquele que vc usa aqui no Brasil para sacar dinheiro) seja o mesmo que o de crédito. Neste caso, atenção na tela do caixa automático para escolher a opção "cash from bank account" (saque da conta bancária) e não "cash from credit card" (onde haverá incidência de juros).

    Antes de viajar, converse com o gerente do seu banco.

    Abraço!
    Fernanda Guimarães

    Responder
  4. Anônimo
    Anônimo says:

    Fernanda,

    Obrigada pals informações. Desculpe-me, mas tenho mais algumas dúvidas. O meu cartão de crédito, é o mesmo de débito do meu banco. Vou usar nos EUA como débito, e devo pagar U$ 2,50 por saque, não é mesmo? Existe limite de saque por dia? Posso comprar nas lojas com a opção de débito, como aquí no Brasil? Assim seria mais comodo e não pagaria a taxa, estou certa?

    Neide Costa

    Responder
  5. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Neide,

    A função para compras no débito (Maestro e Visa Eletron) precisar ser igualmente confirmada com seu banco. É uma excelente opção para compras. Não sei confirmar se efetivamente há esta possibilidade no Banco do Brasil, pois trabalho apenas com o Itaú e o Santander. Para ter certeza, o ideal é entrar em contato com seu gerente mesmo.

    Abraçço!
    Fernanda Guimaraes

    Responder
  6. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Ah! Existe limite de saque por dia sim. Geralmente é o mesmo que o seu na sua conta aqui ou o da rede conveniado a qual vc utilizará no exterior.

    Responder
  7. Julio Quezada Celedon
    Julio Quezada Celedon says:

    Uma dúvida : Tenho um amigo que comprou travel check de American express na Alemanha. Aquí no Salvador não consigue trocar seus cheques.
    Ele deverá voltar a Alemanha, mas com uma péssima impresão de Brasil.
    Por qué as casas de cambio nem os bancos cambiam eses papeis? procuramos casas de cambio y bancos, ninguein cambió.

    Responder
  8. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Julio,

    Ele tentou a troca dos cheques numa agência do Banco do Brasil? Porque lá é possível a troca sim.

    Realmente não é fácil trocar travel cheques por aqui e em toda América do Sul. E o problema é agravado porque as lojas não são obrigadas a aceitar, pois aqui no Brasil somente dinheiro em espécie (e em Reais) é que precisa ser recebido por todos os estabelecimentos. Todas as outras formas de pagamento são opcionais.

    Abraço!
    Fernanda Guimaraes

    Responder
  9. Anônimo
    Anônimo says:

    Olá Fernanda,

    Todos os bancos usam o mesmo valor de câmbio para conversão ou existe alguma variação? Tenho conta em dois bancos, Itaú e Banco do Brasil.

    Ellen Lopes.

    Responder
  10. Fernanda Guimaraes
    Fernanda Guimaraes says:

    Olá, Ellen!

    Cada banco utiliza a sua taxa de câmbio. Aliás, é muito comum uma significativa variação e por isso a importância de pesquisar em pelo menos 3 locais.

    Dos bancos informados, compensa utilizar o Itaú, pois a rede de serviços no exterior é muito maior e o total dos encargos cobrados sobre os saques deverá ser menor.

    Abraço!
    Fernanda Guimaraes

    Responder
  11. Unknown
    Unknown says:

    Isso mesmo Fernanda, muito esclarecedora mesmo, pois irei fazer um Intercâmbio p/o Canadá em Maio e estava em busca de quais e qual a melhor opção de utilizar o dinheiro lá e conheci todas as opções aqui em seu blog e já me decidi que para o pouco período que vou ficar no Canadá, a melhor opção para mim será o Cartão Pré-Pago (Travel Money), pois a Taxa por Saque é de USD 2,50. Eu consultei no Banco Bradesco onde eu tenho conta e lá sai mais caro, porque também cobra por saque USD 2,50 + 2,40% sobre o valor sacado e o Limite máximo de saque permitido no período de 24hs é de aprox. R$ 600,00, sendo assim não compensa e no Travel Cash (Bco. Paulista)é de USD 1.000,00.
    Muito Obrigada pelo serviço de informação.
    Abraço.

    Responder
  12. Anônimo
    Anônimo says:

    Olá Fernanda, muito legal tudo que fala. Estou aqui no Canadá e em embora tenha feito um cartão travelmoney a opção que tenho usado é o cartão de credito ou o saque. Caso queira uma nova informação, no cartão Universitário do banco do Brasil internacional VISA é cobrada 2.50$ USD + 2.5% do valor sacado e mais taxas de conversão. Ainda assim acho que pelo valor do dolar cotado essa é realmente a melhor opção.
    Vou indicar seu blog a amigos…parabens!
    Fernanda Carneiro

    Responder
  13. Anônimo
    Anônimo says:

    Olá Fernanda, gostaria de saber se o valor final debitado da minha conta corrente já está incluído as taxas??Essa taxas não vem discriminadas em nenhum lugar? Meu banco é BB. Não sei se vc poderá me responder, mas de qquer forma esse post já ajudou demais! Muito Obrigada!
    Milena

    Responder
  14. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Milena,

    O valor da tarifa deve estar especificado. Se o débito foi único, seu gerente tem acesso ao detalhamento dos saques e das tarifas cobradas.

    Abraço!
    Fernanda Guimaraes

    Responder
  15. Guilherme
    Guilherme says:

    Fernanda, achei muito bacana sua citação ao meu blog!

    Aproveito para te parabenizar pelo conteúdo do seu blog, isso daqui é um achado é tanto, e graças às suas preciosas dicas postadas nesse post consegui fazer uma boa economia no exterior.

    Continue com seu trabalho de excelência!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    Responder
  16. Janaina Pucci
    Janaina Pucci says:

    Olá Fernanda, tudo bem? Primeiramente, gostaria de dizer que achei o blog excelente e parabéns. Mas tenho uma dúvida, há um ano e meio moro em Portugal e desde então já testei inúmeras maneiras de enviar euro. E, atualmente, uso o envio pelos correios chamado de cheque postal, mas gostaria de testar o saque pelo cartão de crédito, até pela comodidade e pelo preço final, se sai mais barato. Por exemplo, meus pais mandam R$1500 + R$60 de taxas, caso eu faça saques e no final contabilizem R$1500, quanto eu pagaria em média no cartão? E o meu banco é Bradesco.
    Obrigada pela atenção.
    beijos Janaina

    Responder
  17. FERNANDA GUIMARÃES
    FERNANDA GUIMARÃES says:

    Janaina,

    O objetivo do blog é prestar informações úteis, que muitas vezes são omitidas ou passam despercebidas pelas consumidores. No caso desse post, tratamos de comparar as maneiras de compra no exterior. O envio de dinheiro seria outro assunto.

    Para responder sua dúvida com precisão, recomendamos contato direto com o Bradesco. Somente o próprio banco poderá lhe dizer as tarifas que serão praticadas na oportunidade.

    Abraço!
    Fernanda Guimaraes

    Responder
  18. Anônimo
    Anônimo says:

    Olá, Fernanda! Então, fui à Europa em Janeiro e, pela primeira vez, utilizei o cartão de crédito na função saque em moeda corrente. Da mesma forma, utilizei o meu cartão de débito (Banco do Brasil) para saque em moeda corrente. Tive uma surpresa. Vejamos. É fato que o câmbio utilizado pelo Banco e pela MasterCard não é o câmbio comercial. Entretanto, observei, após chegar ao Brasil, que, mesmo com o IOF, o saque pelo cartão de crédito foi mais vantajoso, visto que o "câmbio do cartão" foi melhor (isto é, mais próximo do câmbio comercial) que o "câmbio do Banco".

    já fui 3x à Europa, e sempre utilizei a função débito no exterior (débito Banco); pelo visto, acho que, agora em diante, utilizarei mais a função "saque" do meu cartão de crédito.

    Se bem que, neste ano, o IOF aumentou e já não seja lá tão vantajoso.

    Abraços!

    André

    Responder
  19. Eduardo
    Eduardo says:

    Excelente post. Atualizando as informaçoes, o Banco do Brasil atualmente cobra uma tarifa única de R$ 12,00 por saque para ambas funções, débito e crédito.

    Responder
  20. Cleide
    Cleide says:

    Olá, Fernanda bom dia. Adorei esse blog, muito útil… Bem, viajei para a Argentina, mês passado, e utilizei meu cartão BB Ourocard internacional para função saque débito. Ao verificar meu extrato conta corrente, vi que há valores discriminados como 'saque com cartão' e ficou faltando na relação um saque. Depois, ao analisar minha fatura do cartão de crédito, observei que esse saque foi cobrado no crédito. Todos os valores estão com valor em US$. Busquei no site do BC e converti de US$ para R$, mas os valores não batem com os valores do extrato c/c. Ainda, há valor em R$ de retiradas no exterior e IOF saque exterior US$. Enfim, não sei qual valor considerar. Se do que foi debitado c/c saque ou calcular valor da fatura cartão crédito!!!!!!!!!!!! Por favor, ajude-me. Desculpe-me o texto tão extenso… rs.
    Obrigada

    Responder
  21. Anônimo
    Anônimo says:

    Oi Fernanda!!! Adrei suas dicas, mas estou querendo saber dicas do quanto levar de roupas e outras coisas, pois o preço está muito baixo e gostaria de fazer um pqno estoque de roupas principalmente para minha filha de 6 anos!!! Vc tem alguma pesquisa sobre isso???? Obrigada

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *