Dólar em Alta! Como cancelar um Timeshare comprado em moeda americana?

Cancelar o timeshare infelizmente deixou de ser uma opção pessoal para tornar-se uma necessidade em virtude da forte subida do dólar. O que antes até poderia ser um bom negócio, está virando pesadelo para muitas famílias que ainda tentam honrar seus compromissos financeiros.

A moeda americana já estourou os R$ 4,00 para compra. Isso quer dizer, objetivamente, que aquele contrato de timeshare assinado em 2013 hoje custa o DOBRO no seu orçamento! 

cotação do dólar é a maior desde 2003

Para aumentar o problema, as administradoras de timeshare aproveitam que o consumidor brasileiro não entende perfeitamente as cláusulas em inglês do contrato assinado e ainda tenta resolver tudo sozinho, sem buscar informações de qualidade ou auxílio profissional, e então negam o cancelamento. Muitas vezes dizendo absurdos como de que nos EUA há lei que possibilita a cobrança eterna das prestações.


Então vamos lá. Alguma das hipóteses abaixo faz parte da sua realidade hoje?

(1) Você tem um contrato de timeshare ativo, em dia ou não, mas que mantém sua família refém de prestações mensais e anuais em dólar. E esse dólar, dizem os especialistas, tende a seguir aumentando de valor. “A Bradesco Corretora elevou nesta manhã suas projeções para o câmbio no Brasil, estimando dólar a R$ 3,60 no fim deste ano e R$ 3,90 no fim de 2016, contra R$ 3,25 e 3,40, respectivamente.” (fonte: Self Logísitica/Google) 

(2) Ainda, com as promoções de passagens e pacotes das operadoras brasileiras, seu vizinho ou colega de escritório acabou de lhe contar que gastou menos em um hotel melhor do que o que você tem “disponível” (se realmente conseguisse as reservas quando precisa) no seu timeshare.

(3) Com a inflação aumentando e a inegável insegurança do país, seus gastos subiram e, mesmo que o dólar estabilize, o valor que comprometeu nesse contrato de timeshare está pesando no orçamento. Isso sem falar que a frequência aquela que todos nós prevíamos viajar para os EUA não será confirmada. Pelo menos não nos próximos 5 anos ou até que o Brasil realmente recupere o crescimento efetivo.

Frente a tudo isso você acha justo não ter o direito de mudar de idéia e desistir desse contrato? 

Pois saiba que mais que uma questão de justiça, o consumidor brasileiro tem o direito assegurado no Código de Defesa do Consumidor de questionar sim esse contrato, a forma como ele foi feito e a sua regularidade.

Aceitar o não sem buscar seu real direito é um comodismo que o bolso do brasileiro não pode se dar o luxo. Aliás, o único lado bom aqui para quem desiste da compra: o valor pago foi em dólar! Ou seja, o reembolso ocorrerá também em dólar, o que na variação cambial poderá lhe trazer uma grata surpresa. 

Para saber mais sobre timeshare, acesse www.meutimeshare.com.br. Lá tire seus dúvidas GRATUITAMENTE. O site é um informativo para nossos leitores e/ou clientes e resume bem a natureza e as implicações desse tipo de contrato.

Se preferir, envie um email para fernanda@guimaraesmartins.com.br.

Por Fernanda Guimarães

OAB/RS 51.837
(51) 3028.0878 
1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta para Unknown Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *